quarta-feira, 5 de abril de 2017

FESTIVAL ROSANEGRA 2017

Is Everything Real?


No dia 11/02, participamos do I Festival RosaNegra, evento organizado em celebração aos três anos dos anfitriões. O RosaNegra, como muitos já conhecem (afinal, o time é um dos nossos grandes carrascos nas quadras), é um coletivo autônomo que pensa suas ações políticas através do futebol. Mas, além do torneio esportivo, a confraternização também teve comes e bebes, música, teatro e debates. O local que abrigou a festa, foi o amplo espaço do CDC Vento Leste.

É difícil explicar com detalhes nesse espaço tudo o que aconteceu durante o dia, mas vamos tentar fazer um resumo, principalmente do torneio. Oito equipes participaram do certame, divididas em dois grupos de quatro equipes, sendo que as duas primeiras de cada chave se classificariam para as semifinais e as equipes desclassificadas disputariam a Série Prata. Os jogos eram curtos, com tempo único de 12 minutos. E, após um rápido sorteio, as chaves foram definidas:



No grupo A, uma chave complicada com RosaNegra, Catadão, União Lapa e Quizumba. Já no grupo B, uma chave equilibrada com Real Gothic, o lituano Vova e os já conhecidos Instituto e Meninos Bons de Bola. Com tantos times fortes e experientes, a verdade é que, novamente, éramos os azarões. Além disso, estávamos com um elenco reduzido, eram somente oito atletas. E sem goleiro, tivemos que improvisar um revezamento de jogadores na função. Por fim, Pandora revelou uma lesão horas antes do início dos jogos, impossibilitando-a de jogar. Os desafios eram imensos...

Sem mais delongas, vamos aos jogos!



Real Gothic X Meninos Bons de Bola

Na primeira partida jogamos com os Meninos Bons de Bola, o simpático time formado por homens trans com quem fizemos um jogo no início do ano - o Amistoso da Diversidade. Mas dessa vez não foi possível escapar do sol forte...
O jogo começou nervoso, com os times muito ansiosos. Errando muito e abusando da individualidade, os morcegos tiveram que contar com um erro dos adversários para inaugurar o marcador. Após uma saída de bola atrapalhada, Bruno tocou para Kelvyn Esqueleto marcar o primeiro: 1 x 0. Após o gol, os morcegos foram controlando a partida e, com tranquilidade, Bruno marcou duas vezes, definindo o resultado: 3 x 0. Foi uma excelente estreia para os morcegos.


Osmair e Elen disputam na área!
Bruno chuta colocado, fechando o placar!

______________________________________________________________________________________________________

No outro jogo da chave, Instituto e Vova haviam empatado em 1 x 1. Portanto, caso vencêssemos a segunda partida, já estaríamos classificados para as semifinais. O oponente seria o Instituto, um dos rivais mais clássicos do Real Gothic.


Real Gothic x Instituto

Sem dúvidas, foi um dos nossos melhores jogos no Festival. Mantendo ampla posse de bola, uma defesa sólida e um ataque letal, envolvemos totalmente os adversários. O carrossel fantasmagórico entrou em ação! Desfalcado, o Instituto apostava no contra-ataque. Eles até conseguiram equilibrar o duelo nos primeiros minutos, mas depois não resistiram. Esqueleto, Ed (duas vezes) e Freon marcaram os gols, sacramentando a goleada e a classificação dos morcegos: 4 x 0. 

Morcegos no ataque!
Morcegos na defesa!
____________________________________________________________________________________________________________________

Já classificados, enfrentamos o Vova - um time alternativo da Lituânia. Os europeus compareceram ao Festival com uma equipe enxuta, mas, mesmo assim, era um time temido. Nós jogávamos pelo empate para assegurar o primeiro posto. 


Real Gothic x Vova

Começamos bem, trabalhando a bola com segurança, mas faltava capricho nas conclusões. Os lituanos, sem muitas opções de ataque, acabaram "achando" um gol após uma jogada esperta - e sortuda - de lateral: 1 x 0. Mesmo atrás no placar, mantivemos a posse da bola e chegamos várias vezes com perigo na meta adversária, mas o goleiro Camarada - o andarilho da bola - fez boas defesas e salvou os lituanos. Nada parecia dar certo para os morcegos. E o brigador pivô do Vova ainda faria uma boa jogada, rolando para um companheiro ampliar o marcador: 2 x 0. E assim terminou o jogo.

Nosso primeiro jogo internacional!
Sul Americanos x Europeus!
______________________________________________________________________________________________________


No disputado grupo A, Quizumba, Catadão e União Lapa brigaram pelas vagas até a ultima rodada. O primeiro posto acabou ficando com o Quizumba, seguido pelo União Lapa. Catadão e Rosa Negra foram eliminados. Sendo assim, estavam definidas as semifinais: O Vova pegaria o União Lapa e nós enfrentaríamos o poderoso Quizumba! Let's Goth!

"O pessimismo torna os homens cautelosos, o otimismo torna os homens imprudentes"

Real Gothic x Quizumba

A verdade é que já estávamos satisfeitos com nossa campanha. Sem muitas expectativas, alcançarmos a classificação para as semifinais já era um grande feito. Além do mais, iríamos enfrentar o grande favorito do torneio. O invicto Quizumba, da zona sul de São Paulo, um time jovem, habilidoso e acostumado com disputas de alto nível. Qualquer pessoa em sã consciência não ousaria apostar nos góticos. Uma vitória dos morcegos era improvável e ia contra todos os prognósticos. Nem o mais otimista dos perky gothz poderia acreditar em uma façanha de tamanha dimensão. A quem iremos recorrer - já diria a música do Lupercais. Mas são também as surpresas que fazem o futebol tão cativante...

Jogo duro!

Foi um jogo intenso ao extremo! Logo nos primeiros minutos Ed abriu o placar: 1 x 0. Pouco depois, Esqueleto ampliou: 2 x 0. Surpresos, os quizumbeiros demoraram a reagir mas logo descontaram: 2 x 1. Os morcegos não se intimidaram e Bruno dilatou novamente a diferença: 3 x 1. Metade do jogo já havia se passado, parecia que a vitória era possível!

Uma semifinal épica!

Contudo, o Quizumba, partiu pra cima com todas as suas forças. Pressionando muito, os garotos tiveram várias chances, mas falharam nos momentos cruciais. A trave também nos salvou uma vez. Mas, com tanta insistência, já nos minutos finais, eles marcaram: 3 x 2. Apreensão na quadra! E para piorar a situação, um lance polemico: um atleta do Quizumba finalizou, a bola desviou em um dos nossos e depois no próprio atacante do Quizumba, saindo pela linha de fundo. 
O árbitro assinalou escanteio. O atleta do Quizumba, sincero, admitiu que a redonda lhe havia tocado, mas, surpreendentemente, o árbitro manteve a decisão! E na cobrança do tiro de canto, saiu o gol de empate: 3 x 3. Foi um duro golpe. Abatidos e cansados, parecia que não podíamos fazer mais nada a não ser aguardar a decisão por pênaltis.

Ainda assim, Flávio Sioux, que estava atuando como goleiro, arriscou um lance decisivo. Como um vampiro sedento por sangue, ele arrancou em velocidade pela esquerda, confundindo a marcação. O herói só foi parar nas redes, anotando o seu primeiro tento com o manto das trevas: 4 x 3! Após uma indescritível epopeia, estávamos na grande final!

______________________________________________________________________________________________________


A Grande Final -  Real Gothic x União Lapa

Na final, enfrentamos o União Lapa, uma agremiação com muita história! Fundada em 1910, a equipe alvi-celeste fez sua partida inaugural jogando com outro estreante, o Sport Club Corinthians Paulista. O Corinthians é hoje um dos maiores clubes do futebol brasileiro, enquanto o União Lapa entrou pra história por ter sido seu primeiro adversário. Extinto na década de 30, o clube foi refundado em 2016, visando resgatar sua rica tradição no futebol operário.

Apesar de ser um time de campo, o União Lapa fazia um bom campeonato e era um forte candidato ao título. Com muitos jogadores do Rosa Negra no elenco, eles eram praticamente o time da casa, com ampla torcida a favor.

A partida quase foi adiada, pois chovia muito no CDC Vento Leste. Mesmo com o fim da precipitação, a quadra molhada e escorregadia causava preocupação em ambas equipes. Mas após alguns momentos de indefinição, foi decidido que haveria o jogo. Em retrospecto, lembramos que, cinco anos atrás, o Real Gothic Brasil estreava sob forte chuva no Anhangabaú. E foi incrível! Ou seja, teria sido a chuva uma premissa do destino? Nossa primeira glória foi sob as águas e agora nos víamos novamente na mesma situação. "Happy When It Rains", já diria a canção do Jesus & Mary Chain.

Os times começaram cautelosos, evitando se expor. O Real Gothic cadenciava o jogo e tinha mais a posse de bola mas o União Lapa marcava bem e não dava espaços para a finalização. Entretanto, aos cinco minutos, Flávio fez boa jogada pela direita e cruzou para Ed marcar: 1 x 0. Começava a garoar... Pouco depois, o mesmo Ed, ficou frente a frente com o goleiro, mas escorregou no momento do drible. Esqueleto e Sioux também perderam boas chances de definir o jogo.

Bat Attack!

Já na metade final da peleja, o União Lapa dominou as ações. Com uma postura mais agressiva, o Veterano procurava atacar de todas as formas. O Real Gothic, por sua vez, fechou a casinha covinha e se segurou na defesa. Em um lance surpreendente, a redonda tocou nas duas traves dos morcegos e não entrou. Depois, em uma preciosa jogada de ataque, Esqueleto teve a chance de matar o jogo, mas desperdiçou o chute. Na sequência, o time da zona oeste acertaria novamente a amaldiçoada trave dos góticos. Que jogo! Que sufoco! Faltava apenas 1 minuto e 30 segundos para o fim!

O Milagre do Vento Leste!

Teve mais! Em uma jogada cinematográfica, o vigoroso pivô Juninho, de frente pro gol, arrematou com força. Atuando como guarda-redes, Freon defendeu com o rosto. Heróico! Um verdadeiro milagre! Restavam trinta segundos pra o fim! Depois, o mesmo Juninho se viu sozinho, cara a cara com Freon. Dessa vez, o atacante driblou o capitão e ficou a dois palmos de igualar o marcador. Contudo, como vultos surgindo na escuridão de uma pista gótica, Osmair e Freon se jogaram de encontro a redonda, impedindo o gol. Três segundos para o fim! Dois, um... zero! Acabou! Fim de jogo! Real Gothic campeão do Festival RosaNegra! Festa dos morcegos! Um pequeno pentagrama nasceu no símbolo do todo-negro.

Parafraseando o classico do Frozen Autumn: É Tudo Real?
Inacreditável!

Após os jogos, ainda conferimos os debates, onde foi discutido o machismo e o racismo no futebol. Inclusive, houve a apresentação de uma pesquisa interessante sobre a proibição do futebol feminino no país (fato desconhecido que perdurou durante muitos anos). Também houveram shows de Rap e Punk Rock, finalizando com energia e maestria esse grande evento. Foi ótimo! Agradecemos novamente ao RosaNegra pelo convite e a participação de todos os envolvidos!

Roda de Debates.
   





Atletas e Torcida: O Elenco Campeão!


Ficha Técnica
Real Gothic 3 X 0 Meninos Bons de Bola
Jogadores: Ed (G), Freon, Flávio Sioux, Osmair, Kelvyn Esqueleto, Bruno, Elen e Taís.
Gols: Bruno (2) e Esqueleto (1).



Ficha Técnica
Real Gothic 4 X 0 Instituto FC
Jogadores: Flávio Sioux (G), Freon, Ed, Osmair, Kelvyn Esqueleto, Bruno, Elen e Taís.
Gols: Ed (2), Esqueleto (1) e Freon (1).



Ficha Técnica
Real Gothic 0 X 2 Vova
Jogadores: Ed (G), Freon, Flávio Sioux, Osmair, Kelvyn Esqueleto, Bruno, Elen e Taís.


Ficha Técnica
Real Gothic 4 X 3 Quizumba
Jogadores: Flávio Sioux (G), Freon, Ed, Osmair, Kelvyn Esqueleto, Bruno, Elen e Taís.
Gols: Ed (1), Esqueleto (1), Bruno (1) e Flávio Sioux.



Ficha Técnica
Real Gothic 1 X 0 União Lapa
Jogadores: Freon (G), Ed, Flávio Sioux, Osmair, Kelvyn Esqueleto, Bruno, Elen e Taís.
Gols: Ed (1).


Trilha Sonora:



segunda-feira, 6 de março de 2017

REAL GOTHIC 1 X 2 LIBERTÁRIOS FR

Breaking Down!

No dia 19/02, o Real Gothic entrou novamente em quadra. Opa, quadra não! Dessa vez o jogo foi no campo. Sim, pela primeira vez em sua história os morcegos fizeram um jogo de campo! Está certo que não foi um jogo de campo tradicional, com onze jogadores de cada lado. A modesta e aconchegante Arena Karl Marx comporta sete jogadores por time. Mas a emoção é a mesma. Foi uma grata experiencia dividir a grama e a terra com os camaradas do Libertários.

Aliás, fomos muito bem recebidos pela equipe da Escola Municipal Benedita Ribas (que abriga o campo) e também pelo pessoal do Libertários Futebol e Resistência. Apesar do sol rachando as cabeças, o clima era amistoso e descontraído.


Nesse jogo tivemos a estreia de um novo atleta: Flávio Sioux, o guerreiro índio-goth que promete ser um grande reforço para o escrete das sombras. Além dele, outros 10 atletas estiveram presentes. A Skeletal Family segue crescendo!

Começa o jogo!

Considerando nossa inexperiência nos gramados, iniciamos a partida com uma formação mais defensiva. Nos postamos bem e tocávamos a bola com tranquilidade, porém faltava mais volume no meio de campo e, aos poucos, isso foi se tornando crucial. Aos sete minutos, Gandhi circulou livre pelo meio, chutou de longe e Warley aceitou: 1 x 0 Libertários.

O estreante Flávio Sioux toca a bola.



As substituições feitas deixaram os morcegos confusos em campo. Desorganizado, o time não produzia no ataque e continuava cometendo os mesmos erros. Aos quatorze minutos, Pipo Mcthinder tabelou e chutou da entrada da área: 2 x 0. O domínio dos Libertários era evidente. O efetivado Warley ainda fez boas defesas e evitou um placar mais dilatado.

Como um morcego, Warleeeey!

No intervalo, decidimos mudar a estratégia. Era preciso ser mais agressivo no ataque, buscar o jogo. Mudamos o sistema tático e voltamos com uma outra postura ao campo. A essa altura, o sol havia dado uma trégua, o que também foi um facilitador para nossas aspirações. Marcando sob pressão, encurralamos os Libertários e equilibramos o duelo.

A reação trevosa!



Em algum momento, um dos libertários, "ex-gótico", colocou uma trilha sonora inspiradora pra tocar. The Sisters of Mercy, The Cure e London After Midnight embalaram os morcegos em uma reação espetacular. Movidos por música, os vampiros despertaram do sono desportivo. Não demorou e Tucho interceptou um passe, driblou o zagueiro e chutou forte da intermediária, marcando um belo gol: 2 x 1 (a propósito, agradecemos os anfitriões pelo som também!). Ainda tivemos outras boas chances com Freon e Flávio, mas o arqueiro libertário fez excelentes defesas, evitando o empate.


Freon chuta, mas o arqueiro faz grande defesa!

Mas, com o tempo, o Libertários soube controlar a pressão e também voltou a causar apreensão, em perigosos contra-ataques. Warley foi novamente decisivo nesses momentos. Já no ultimo minuto, Tucho teve a derradeira chance abençoada pelas sombras. Freon sofreu falta próximo da área. Tucho caprichou na cobrança e colocou no cantinho, mas, guiado pelas místicas forças marxistas da arena, o goleiro fez a defesa final da partida, definindo o resultado do embate.


Tucho cobra a falta, por pouco!

Vencemos o segundo tempo por 1 x 0 e perdemos no placar final por 2 x 1. Apesar do resultado, saímos satisfeitos com nosso bom desempenho, principalmente na metade final da partida. Sem dúvida, foi um ótimo jogo. Valeu, morcegada!



Agradecimentos ao fotógrafo: Helvis Ferreira.

Ficha Técnica
Real Gothic 1 X 2 Libertários FR
Jogadores: Warley (G), Freon, Taís, Tucho, Kelvyn Esqueleto, Silas, Elen, Osmair, Bruno, Flávio Sioux e Aline.
Gols: Tucho (1).


Trilha Sonora:


quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

DIA DA VISIBILIDADE TRANS

O Amistoso da Diversidade!

No dia 29 de janeiro de 2004, ativistas transexuais participaram, no Congresso Nacional, do lançamento da primeira grande campanha contra a transfobia no país. Desde então, essa data foi instituída como o Dia da Visibilidade Trans. O objetivo é simples: ressaltar a importância da diversidade e buscar dignidade e respeito para a população trans. 
Mas a realidade mostra que, na prática, os avanços são lentos e o Brasil ainda é um dos países que mais discrimina, exclui e mata transexuais, travestis e transgêneros no mundo! O Real Gothic, assim como a Subcultura Gótica, valoriza e acolhe a diversidade. Para nós, portanto, é obrigatório somar forças nessa luta pela conquista de direitos e respeito.

E foi com muita honra que recebemos o convite para participar das celebrações do Dia da Visibilidade Trans, em um jogo com os Meninos Bons de Bola, formado por homens trans. O evento foi organizado pelo Centro de Cidadania LGBT Sul.


Os morcegos, ansiosos com o início da temporada 2017 e a oportunidade de participar de um evento tão importante, compareceram em grande número. Ainda houve a estreia de Bruno Boleiro, em fase de testes na agremiação.


A caminho do evento, com um ônibus praticamente fretado pelos dois times.


Chegamos na Praça do Campo Limpo por volta do meio dia. O sol escaldante e a quadra descoberta causavam panico mas, por sorte, ao lado da praça havia uma escola com uma quadra coberta e conseguimos transferir o jogo de local. 

Meninos Bons de Bola!

Vamos ao jogo! 

O Real Gothic começou muito bem. Tucho marcou duas vezes e Ed fez o terceiro, colocando os morcegos em excelente vantagem: 3 x 0. Desfalcados de um goleiro de ofício, os Meninos sofreram nesse início de partida. Mas depois disso, o jogo ficou aberto. Os Bons de Bola partiram para o ataque, acertaram duas bolas na trave e equilibraram o duelo. 

Contudo, em um lance inusual, os anfitriões marcaram um gol contra: 4 x 0. O Real Gothic aproveitou o momento de sorte e cresceu na partida. Julio guardou o dele, abrindo 5 x 0 no marcador. E ainda teve mais! Elen Tornado mostrou presença de área e estufou as redes, marcando seu primeiro tento com o manto das trevas: 6 x 0. Mas os Meninos não se deram por vencidos e, no final da primeira etapa, descontaram: 6 x 1. E assim terminou o primeiro tempo.




Na segunda etapa, o Real Gothic voltou em ritmo intenso. O estreante Bruno marcou duas vezes, ampliando a goleada: 8 x 1. Em seguida, os Meninos anotaram mais um, diminuindo a diferença: 8 x 2. Mas a inspirada Elen foi às redes novamente, marcando seu segundo gol na peleja: 9 x 2. Morcego louco! O carrossel fantasmagórico estava a todo vapor!





O placar elástico parecia irreversível, mas os Meninos Bons de Bola renasceram na partida e começaram uma reação sem limites. Pressionando no ataque, eles conseguiram uma sequência frenética de quatros gols e encostaram no placar: 9 x 6. A torcida entrava em delírio e o jogo se tornava nivelado. Mas faltava pouco tempo e os morcegos conseguiram segurar o ímpeto dos Meninos, evitando mais gols. Já nos acréscimos, Osmair fez o dele e fechou a conta. Fim de jogo!
Perdemos o segundo tempo por 5 x 4 e vencemos no placar final por 10 x 6. Mas o resultado foi o menos importante.


Após o jogo, os times ainda se misturaram e bateram uma bolinha. Depois, de volta à praça, todos acompanharam os depoimentos de ativistas dos direitos LGBTT e deram a sua palavra, lembrando a importância dessa luta por visibilidade.





Valeu meninos, estamos juntos!
Agradecimentos a fotógrafa: Isabel Abreu.

Ficha Técnica
Real Gothic 10 X 6 Meninos Bons de Bola
Jogadores: Maurício (G), Freon, Taís, Ed, Tucho, Kelvyn Esqueleto, Silas, Elen, Bill, Osmair, Julio e Bruno.
Gols: Tucho (2), Elen (2), Bruno (2), Ed (1), Osmair (1), Julio (1) e Contra (1).



Trilha Sonora:


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

WORLD CUP VIA UNDERGROUND

World Cup Via Underground!

No dia 16/10/2016, aconteceu a World Cup Via Underground. O torneio (na verdade uma grande brincadeira) foi organizado pela equipe do Via Underground (tradicional projeto Post Punk & Goth realizado aos domingos no Hotel Cambridge), em parceria com o Real Gothic Brasil. A ideia era criar uma tarde de confraternização descontraída, com comida, bebida, muita música e, claro, um pouco de futebol também! Isso é algo que defendemos desde o início do time, em 2012. Acreditamos que é possível pensar em outras formas de socialização na cena, além das já consolidadas. 

Ficamos muito gratos em ver que muitas pessoas entenderam a proposta e abraçaram a ideia do evento.

Vídeo do Evento:



Os Jogos!

O churrasco e o som alto animavam os presentes, a diversão já estava garantida, mas o futebol também precisava acontecer. E mesmo debaixo de um sol escaldante, com maquiagens derretendo e solas de chuteiras descolando, os trevosos encararam o desafio! Vamos então comentar um pouco sobre os jogos: Três times participaram do torneio. Além do Real Gothic, havia o time do Via Underground, com Gago, Ernesto, Henrique, Silvio, Anderson, entre outros; e mais uma equipe, formada por Gutisk e amigos da banda Wonder Dark, que batizaríamos de Wonder Dark Fight Friends. Cada time faria, portanto, dois jogos, todos contra todos, em jogos curtos com duração de trinta minutos.

No primeiro jogo, o Wonder Dark Fight Friends venceu o Via Underground por 5 x 4. Após um bom tempo de descanso, foi a vez do Real Gothic entrar em quadra. Finalmente o aguardado encontro Real Gothic x Via Underground aconteceria!



Real Gothic x Via Underground
Via Underground FC.
O jogo teve início e foi o Via Underground que saiu na frente, gol do talentoso Marcos Garcia. Mas o escrete das sombras reagiu. Os morcegos empataram a peleja e dilataram o marcador com três gols de Esqueleto e um de Freon: 4 x 1. A goleada poderia ser maior, mas o goleiro Henrique, DJ do Via Underground, mostrou seu brilho e fez excelentes defesas.
No segundo tempo, o Via voltou melhor, marcou duas vezes e encostou no placar: 4 x 3. O duelo estava acirrado mas, nos cinco minutos finais, o carrossel fantasmagórico engrenou e os morcegos envolveram totalmente os oponentes. Taís, Ed e Freon marcaram e, já no ultimo lance, Bill fez o dele, fechando a tampa do caixão e sacramentando o belo triunfo.


Vitória por 8 x 3!


Fotos do Jogo:
 
 
 
OBS: Essa foi a décima vitória na história do Real Gothic, um marco!


Real Gothic x Wonder Dark Fight Friends
Wonder Dark Fight Friends.

O Wonder Dark Fight Friends tinha nomes de peso em seu elenco como o samurai Gutisk, Hanzi, Rodrigo Nacht, o elástico goleiro Eduardo, o incansável Anderson e outros jovens e promissores talentos. Como eles haviam vencido o primeiro jogo, essa seria praticamente a final da World Cup Via Underground. Quem vencesse levaria o vinho pra casa.
Mas já no primeiro tempo, o embalado Real Gothic construiu a vitória com gols de Freon, Ed (duas vezes) e Silas: 4 x 0. A segunda etapa não foi muito diferente e com gols de Esqueleto, Bill, Ed e dois belos tentos de Taís, os morcegos consolidaram o resultado e venceram por 5 x 3. Placar agregado e final: 9 x 3. Mais uma grande exibição do Real Gothic!




Fotos do Jogo: 



E assim terminou o torneio. Com duas elásticas goleadas, conquistamos o nosso primeiro (talvez único?) título. Claro, sem euforia ou ilusões desnecessárias. Reconhecemos que os outros times foram formados ali, na hora, apenas para fazer a brincadeira acontecer. E essa sim foi a verdadeira conquista de todos! Realizar um evento diferente, com muito respeito e diversão. Portanto, agradecemos imensamente a presença de todos e esperamos pelo próximo! Let's Gothz!


Banco de Reservas estilo Bauhaus em The Hunger!





Ficha Técnica
Real Gothic 8 X 3 Via Underground FC
Jogadores: Fábio Cobra (G), Maurício (G), Freon, Taís, Ed, Tucho, Kelvyn Esqueleto, Silas, Carioca, Elen, Bill e Aline.
Gols: Esqueleto (3), Freon (2), Ed (1), Taís (1) e Bill (1).





Ficha Técnica
Real Gothic 9 X 3 Wonder Dark FF
Jogadores: Fábio Cobra (G), Freon, Taís, Ed, Tucho, Kelvyn Esqueleto, Silas, Carioca, Elen, Bill e Aline.
Gols: Ed (3), Taís (2), Freon (1), Silas (1), Esqueleto (1) e Bill (1).