quarta-feira, 16 de maio de 2018

REAL GOTHIC 13 X 2 INSTITUTO FC

Matador!

Após quase dois meses de inatividade o Real Gothic entrou novamente em ação! Dessa vez para encontrar os tradicionais adversários do Instituto FC. Esse foi o nosso sexto duelo com os caras, em um arranca-toco que acontece religiosamente desde 2015. O jogo aconteceu na Quadra do Atlético Vila Alpina, a casa do Instituto São Caetano.

Desfalcados e com um elenco escasso, os mandantes estavam fragilizados. O Real Gothic, por sua vez, comparecia em peso e com muita sede de bola - Freon esteve ausente e Taís Pandora compareceu mas ainda sem condições de atuar.


Sem mais delongas, vamos ao resumo da partida!

Bruno, o estreante Eduardo Baphomet, Henrique Muller, Silas e Osmair;
Agachados: Flávio Sioux, Sophia Raven, Ed, Esqueleto e Tucho.


Com um ritmo forte, o Real Gothic se impôs, controlou o jogo e construiu o resultado já na primeira etapa. O Instituto lutou e tentou resistir, mas não teve forças para equilibrar o embate. Sophia Raven (duas vezes), Tucho (duas vezes) e Flávio Sioux anotaram os gols do todonegro: 5 x 0. Tudo estaria perfeito se não fosse o goleiro Henrique Muller que, lesionado, deixou a partida. Infelizmente o atleta permanecerá em observação, afastado do esporte por três meses.


 
 


No segundo tempo o panorama não mudou. Mesmo sem um arqueiro de ofício (alguns atletas revezaram-se na função), o Real Gothic manteve-se sólido na defesa. Além disso, o ataque mostrou-se ainda mais letal. Eduardo Baphomet (duas vezes), Bruno (duas vezes), Sophia Raven (duas vezes), Ed e Flávio Sioux ampliaram o placar e sacramentaram a goleada. O valente Instituto ainda conseguiu anotar dois tentos. Placar parcial da segunda etapa: 8 x 2. Resultado agregado e final: 13 x 2. Vale destacar que essa foi a maior vitória da história do escrete das sombras! Matador!



Ficha Técnica
Real Gothic 13 x 2 Instituto FC
Jogadores: Henrique (G), Taís, Flávio Sioux, Ed, Silas, Kelvyn Esqueleto, Elen, Tucho, Osmair, Bruno, Sophia Raven e Eduardo Baphomet.
Gols: Sophia Raven (4), Tucho (2), Flávio Sioux (2), Bruno (2), Eduardo Baphomet (2) e Ed (1).




quarta-feira, 21 de março de 2018

REAL GOTHIC 7 X 8 MADAME CLUB


Lament!


Os morcegos estão de volta! Começou a temporada 2018!

Para iniciar o ano, um duelo inesperado e especial. O Real Gothic enfrentou um combinado formado pelos atuais proprietários do Madame Club. O Madame (ex-Madame Satã), é um clube histórico da cidade de São Paulo e, sobretudo, do Brasil. Palco da efervescência cultural dos anos 80 e do florescer do rock brasileiro, a casa se tornou tão emblemática que possui até livro e documentários. Cenário de diversas tribos e subculturas, com o tempo, o Madame também se tornou um "point" entre os darks e góticos. Os tempos mudaram, é verdade, mas mesmo assim, um jogo com o Madame não deixa de ter um sabor singular. O desafio foi aceito e o duelo ocorreu no Top Society, na Vila Maria.

Descontração no vestiário. Ao centro, a estreante Sophia Raven.

Vamos ao jogo!

Logo no início, com assistência de Freon, Ed inaugurou o marcador: 1 x 0. Mas pouco depois, em uma jogada de sorte após cobrança de escanteio, o Madame empatou: 1 x 1. Não demorou muito e uma bela troca de passes entre Sioux e Tucho, culminou em mais um tento de Ed: 2 x 1. Contudo, com um forte chute da intermediária, o Madame conseguiu novamente a igualdade. O duelo estava equilibrado, mas os morcegos apresentavam ligeira vantagem. Com mais posse de bola e volume de jogo, só faltava capricho e efetividade nas conclusões. E dessa forma terminou a primeira etapa.




Segundo Tempo:

Recomeçamos a segunda etapa irreconhecíveis. O combinado do Madame aproveitou o bom momento e dilatou o placar: 6 x 2. A verdade é que, pelo menos três desses gols foram provocados por grosseiras falhas individuais dos góticos. Mas os adversários souberam aproveitar o presente. E a animada torcida do Madame já dava o duelo como definido.
Um lampejo de reação começou quando Freon tocou para Ed, que, de primeira, escorou de calcanhar para Raven. A estreante fintou o marcador e cruzou para Silas empurrar para as redes: 6 x 3. Uma jogada bonita, simples e eficiente.

Parecia que era possível reencontrar o caminho. O combinado do Madame ainda chegaria as redes novamente: 7 x 3. Mas a partir daí, o que se viu foi um domínio total dos morcegos. Logo na saída de bola, Ed chutou de longe e estufou o barbante: 7 x 4. Pouco depois, o mesmo Ed, daria passe açucarado para Silas marcar mais um: 7 x 5. E teve mais! Após bate-rebate, Sioux pegou rebote e chutou forte no canto: 7 x 6. Já no lance seguinte, Raven desarmou um oponente, puxou contra-ataque e soltou para Freon empatar a peleja: 7 x 7. A pressão era constante, os morcegos atacavam com tudo e os rubros estavam acuados. De frente com o goleiro, Sioux ainda perderia chance preciosa de virar o marcador.




Entretanto, faltando cerca de três minutos para o fim, um lance infortuno e confuso. Após cruzamento na área, a bola foi de encontro ao braço de Ed. Um pênalti duvidoso que caiu como uma luva para o Madame sair do sufoco: 8 x 7.

Restava pouquíssimo tempo, mas o Real Gothic lutou até o final. No ultimo lance, Freon teve a bola do jogo para recolocar a justiça no resultado, mas chutou para fora. Sem acréscimos, o confronto terminou. Restou-nos o lamento.



Ficha Técnica
Real Gothic 7 x 8 Madame Club
Jogadores: Henrique (G), Warley (G), Freon, Flávio Sioux, Ed, Silas, Kelvyn Esqueleto, Elen, Tucho, Bill e Sophia Raven.
Gols: Ed (3), Silas (2), Flávio Sioux (1) e Freon (1).


 

sábado, 30 de dezembro de 2017

REAL GOTHIC 4 X 4 DIVERSUS FC

Fireworks!

Encerrando a temporada 2017, enfrentamos o Diversus FC - a nova agremiação gay da cidade de São Paulo. O confronto ocorreu na Arena Central, onde, em setembro, enfrentamos o Natus FC (de onde saíram muitos atletas do Diversus).

Foi um duelo eletrizante! Tucho, de volta ao escrete, inaugurou o marcador. Pouco depois, Osmair ampliou a vantagem para os morcegos: 2 x 0. Mas era apenas o começo da peleja e não demorou para o forte time mandante reagir. Eles empataram a partida e o placar ao fim da primeira etapa traduzia perfeitamente o equilíbrio visto em quadra: 2 x 2.




No segundo tempo, o Diversus voltou ligeiramente melhor. Com um toque de bola preciso, eles envolveram o Real Gothic e conseguiram a virada: 3 x 2. Contudo, os morcegos jogavam com raça, não desanimaram e Esqueleto igualou o marcador: 3 x 3. Extremamente nivelado, o jogo parecia realmente encaminhado para o empate. Porém, já no final do tempo regulamentar, uma falha inocente nos custou o quarto gol dos brancos: 4 x 3. Parecia difícil de buscar, mas nos minutos finais, Freon chutou da intermediária e deu números finais ao amistoso. Fim de jogo. Real Gothic 4 x 4 Diversus.
 

Mais um ano chega que se encerra. Queremos agradecer todos que nos apoiaram, estiveram presentes nos jogos ou simplesmente incentivaram a equipe, mesmo a distância. Esse foi um ano muito especial - por diversos motivos - mas especialmente pelo aniversário de cinco anos do time! E seguimos resistindo! Futebol, música e cultural alternativa!

E assim encerramos a temporada 2017. Fizemos dezesseis jogos: 09 vitórias, 02 empates e 05 derrotas.



Ficha Técnica
Real Gothic 4 x 4 Diversus
Jogadores: Henrique (G), Freon, Flávio Sioux, Osmair, Silas, Kelvyn Esqueleto, Elen, Tucho e Taís.
Gols: Tucho (1), Osmair (1), Esqueleto (1) e Freon (1).



Trilha Sonora:

sábado, 23 de dezembro de 2017

WORLD CUP VIA UNDERGROUND III

Winning!


No dia 10/12/2017, aconteceu mais uma edição da World Cup Via Underground. A Copa, na verdade, se resume a um amistoso entre o Real Gothic Brasil e um combinado da festa Via Underground. Além disso, como de praxe, trata-se de uma grande confraternização entre colegas e amigos de cena. O evento também coroou o ano de celebrações do aniversário de 5 anos do Real Gothic Brasil! Desde 2012, um foco de resistência em meio a um esporte segregador.



Como na edição passada, a Sociedade Esportiva Via Underground compareceu recheada de reforços. Na verdade, era até difícil notar algum frequentador das matinês dominicais no Hotel Cambridge naquele escrete... Mas um reforço em especial merece destaque: Rafael 13 que, com toda sua trevosidade, deu o tom gótico que faltava a equipe adversária.


Vamos ao breve resumo do jogo!

  



A disputa foi mais equilibrada do que as anteriores. O renovado time do Via Underground, apresentava um bom toque de bola e não dava espaços aos morcegos. Por outro lado, o sol forte dificultava a intensidade das equipes e o jogo manteve-se truncado. O Via inaugurou o marcador, mas Silas alcançou o empate. E o primeiro tempo terminou indefinido: 1 x 1.





O jogo reiniciou acirrado, mas, com o tempo, os morcegos foram ditando o ritmo. Julio e Osmair marcaram e deram mais conforto ao embate: 3 x 1. O Via, contudo, não se deu por vencido e, já nos minutos finais, encostou: 3 x 2. As duas equipes tiveram boas oportunidades, mas foi o Real Gothic que desperdiçou as chances mais preciosas de sacramentar o confronto. Mas ficou por isso mesmo. Fim de jogo. Vitória dos morcegos. Tricampeões do derby mais trevoso da América!




O mistério foi revelado: Pandora estava afastada dos gramados devido a chegada do futuro craque Shiryu!
Bem vindo, morceguinho!



O time, a torcida, Esqueleto e a mochila.



Ficha Técnica
Real Gothic 3 x 2 Via Underground SE
Jogadores: Henrique (G), Freon, Flávio Sioux, Silas, Kelvyn Esqueleto, Julio, Osmair, Elen, Bill, Ed, Aline Casper e Taís.
Gols: Silas (1), Julio (1) e Osmair (1).






Trilha Sonora:

terça-feira, 7 de novembro de 2017

REAL GOTHIC 4 X 16 BULLS

Useless!



06/10/17. Uma data que ficará cravada na história do Real Gothic. Cravada como estaca no coração de um vampiro. Cravada como lágrimas em um coração angustiado. Cravada como o atropelo de um búfalo em um morcego indefeso. 
Afinal, foi exatamente isso o que aconteceu. Um verdadeiro atropelo. A maior e mais humilhante derrota já sofrida pelos morcegos até o momento. Ok, devemos considerar que enfrentamos um adversário fortíssimo. O Bulls é um time paulistano voltado ao público gay; sem duvidas, o grande nome entre os diversos times que surgem dentro da comunidade LGBT. E apesar de nova, a equipe já começa a construir uma galeria respeitável de troféus e conquistas.



Mas, apesar de todos os prognósticos, aceitamos o desafio!


O jogo ocorreu na arena sintética do Ipiranga, onde os búfalos treinam semanalmente. E os mandantes compareceram em peso, eram pelo menos 20 atletas presentes! Do nosso lado, um elenco enxuto e cheio de desfalques importantes. 



Reconhecendo a enorme dificuldade que enfrentaríamos, planejamos jogar defensivamente e com muita cautela. Mas a estratégia não surtiu efeito. O Bulls é um time extremamente competitivo, estão em um outro nível. Nossa resistência durou pouco. Com facilidade, eles aplicaram uma sonora goleada no primeiro tempo, definindo a vitória: 9 x 3.

Na segunda etapa, com os mandantes colocando seu time reserva em campo, até conseguimos melhorar o desempenho. Mas a pequena esperança desmoronou quando o goleiro Henrique Muller (que vinha evitando um desastre ainda maior com excelentes defesas) sofreu uma séria contusão, deslocando o ombro e tendo que ser retirado da peleja. Que fase! 



Sem goleiro, éramos novamente presas fáceis para o massacre da manada rubro-negra. A segunda etapa terminou com um simbólico 7 x 1. Sem palavras. Placar final: 16 x 4. De volta ao nosso devido lugar. Dust to Dust. Vexame to Vexame.






Ficha Técnica
Real Gothic 4 x 16 Bulls
Jogadores: Henrique (G), Freon, Flávio Sioux, Silas, Kelvyn Esqueleto, Osmair, Elen e Juan.
Gols: Esqueleto (2), Osmair (1) e Contra (1).



Trilha Sonora: